sábado, 29 de novembro de 2008

Revista da ABEM

Caros amigos e alunos,
todos que trabalham e pesquisam sobre Educação musical deveriam vistar este site, comprar e ler estas publicações.
Na Biblioteca da UNIRIO, na Urca, Rio podemse encontradas para leitura.

Neste endereço vejam
resumos em PDF.
http://www.abemeducacaomusical.org.br/revistas.html

Vejam estes títulos como exemplo na Revista nº 5 - Setembro/2000

Sumário e resumo


A educação profissional de música frente à LDB nº 9.394/96 - Sonia Albano

A música do século XX para os cursos de graduação - Maria Lúcia Pascoal

A Presença das Raízes Culturais na Educação Musical- Cristina Rolim Wolffenbuttel

Avaliação da execução musical: relações entre as concepções e práticas adotadas por professores de piano - Cynthia Geyer Arrussul dos Santos, Liane Hentschke, Ney Fialkow

Métodos de Leitura Cantada: dó fixo versus dó móvel - Ricardo Goldemberg

Pesquisa em Educação Musical: situação do campo nas dissertações e teses dos cursos de pós graduação stricto sensu em Educação - José Nunes Fernandes

Um olhar antropológico sobre práticas de ensino e aprendizagem musical - Margarete Arroy

Uma perspectiva crítica e cultural para abordar o conhecimento curricular em música - Sonia Tereza da Silva Ribeiro

Educação musical/Coro

Bibliografia básica sugerida por Westh Ney

COLL, C.; PALACIOS, J. e MARCHESI, A. Desenvolvimento psicológico e da educação. Vol. 1, 2 e 3. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.
FREIRE, Vanda L. Bellard. Currículos, apreciação musical e culturas brasileiras. Revista da ABEM nº 6 RJ: ABEM, 2000
GARDNER, Howard. O verdadeiro, o belo e o bom. Porto Alegre: Objetiva, 1999.
______________Inteligências Múltiplas: A teoria na prática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

MARTINS
, Raimundo. Educação musical: Conceitos e Preconceitos. RJ: FUNARTE, 1985.
MARTINEZ, Emanuel. Regência Coral – Princípios básicos. Ed. D. Bosco, 2000
MATHIAS,
Nelson. Coral, um canto apaixonante. Brasília, Ed. Musi-Med, 1986.
OLIVEIRA, Marta Kohl de. Vygotsky: Aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio- histórico. 4 ed. São Paulo: Scipione, 1997. 111 p
OLIVEIRA, Alda. Fundamentos da Educação Musical em Série Fundamentos da Educação Musical. RJ: ABEM 1993.
PAZ, Ermelinda. Pedagogia musical brasileira no século XX - Metodologias e Tendência. Brasília: Editora MUSIMED. 2000.
SANTOS, Regina Márcia S. Música no Século XXI: Tendências, perspectivas e Paradigmas. ANAIS XIII Encontro Nacional da ANPPOM, v. 2, p. 688 – 691, 2001
SANTOS, Regina M. Simão. A natureza da aprendizagem musical e suas implicações curriculares. Análise comparativa de quatro métodos. Rio: ABEM, 1994.
SWANWICK, Keith. Ensinando música musicalmente. SP: Ed. Moderna, 2003.
VILLA-LOBOS, Heitor. O pensamento vivo de Villa-Lobos. São Paulo: Martin Claret, 1987.
ZANDER, O. Regência coral. 5 ed. Porto Alegre: Movimento, 2003.
....................
“O povo é, no fundo, a origem de todas as coisas belas e nobres, inclusive da boa música! [...] Tenho uma grande fé nas crianças. Acho que delas tudo se pode esperar. Por isso é tão essencial educá-las. É preciso dar-lhes uma educação primária de senso ético, como iniciação para uma futura vida artística. [...] A minha receita é o canto orfeônico. Mas o meu canto orfeônico deveria, na realidade, chamar-se educação social pela música. Um povo que sabe cantar está a um passo da felicidade; é preciso ensinar o mundo inteiro a cantar”. (VILLA-LOBOS, 1987)

Como a família pode desenvolver a comunhão com Deus?

Westh Ney Rodrigues Luz

“Quando eu ouvia aquele barulhinho na porta do meu quarto, pensava:
- Lá vem ela! E nem adiantava dizer que não queria. Ela vinha com oração, bênção, conselhos ou texto bíblico. Fechava meus olhos, fingindo que dormia, mas ela não desistia; orava assim mesmo nos meus ouvidos, com a mão na minha cabeça”.


Ouvi este relato do meu filho caçula, o Felipe quando ele tinha 25 anos e já casado. Tive que rir, pois era assim mesmo. Contei isto para o mais velho, o João, ele riu e disse: - “Eu gostava muito. Era bom.”.

A Bíblia diz em Salmos 127.3, que nossos filhos são herança da parte do Senhor. Sim. Meus filhos não são propriedades minha. Recebi de Deus esta grande bênção e esta festa ou alegria, que é ter um filho, traz também algo importante junto que é responsabilidade. Pela proteção, pelo ensino, alimento, vestimenta, educação... UFA!!


E como mãe cristã - pais ou qualquer outro familiar responsável pelas crianças - precisamos ajudá-las a terem o encontro mais importante da vida - o encontro com Cristo.

A vida familiar pode propiciar isto ou não. O que às vezes acontece é que nossas atitudes em família diferem do comportamento em público. Alguns líderes são eficientíssimos na igreja, escola, na frente do coro, no escritório, na sua vida em sociedade. Possuem um bom discurso, mas são ausentes no Lar. Os filhos, esses desconhecidos, são relegados a um plano menor e a prática não acompanha a teoria. Alguns sabem discorrer sobre grandes temas teológicos, mas não conseguem trazer isto para uma pergunta bem simples e infantil sobre Deus e a existência humana. Aliás, alguns sequer ouvem a pergunta...

Não espere a vida melhorar para você encontrar mais tempo para cuidar do desenvolvimento da vida com Deus na sua família. Isto poderá nunca acontecer. Você pode perder este trem, ou bonde como diriam os mais antigos. Pode também demorar muito e num piscar de olhos... as crianças cresceram!

Não delegue para outros a oportunidade única, especial e nem sempre fácil de ensinar seus filhos a dependerem totalmente de Deus. Precisamos prepará-los para a vida. Alguns pensam que vida é só escola, aulas de inglês, espanhol ou esperanto, natação, ginástica moderna, rítmica, trapézio, aulas de violino, piano, judô, crochê, arte culinária... Tive um aluno que com cinco anos estudava chinês, sem nada que o identificasse com um oriental e o pai me disse que estava preparando seu filho para ser um vencedor. Presenciei isto, esta grande tragédia familiar, ao longo da minha vida como professora em escolas de pequeno e grande porte, e em classes sociais diversas.

Conheci crianças em completo abandono espiritual. Alguns pensam que se eles estão socados na igreja o tempo todo, a sua parte, o seu compromisso nesta área já está de bom tamanho. Grande engano. Não tem como terceirizar o crescimento espiritual de nossos filhos. O que você faz, diz, ensina, compartilha em casa é que vai ser forte e decisivo para ajudar seu filho a ter comunhão com Deus. Esta fé vivida e experimentada é que dará suporte aos nossos filhos para encarar os desafios, decepções ou tragédias da vida. Não se iluda. Elas virão. Será que seus filhos, e seu Lar estão preparados para o dia difícil, onde parece que todos os dardos, ou lanças flamejantes estiverem sobre vocês?

Certo é, que nunca estaremos totalmente preparados, mas a nossa Fé em Deus, precisa ser real, autêntica, significativa e forte, pois irá nos valer nos momentos cruciais e decisivos.

Minha irmã caçula, a Débora, foi convocada, por Deus junto com sua família - marido e dois filhos adolescentes, na tragédia que aconteceu em Angra dos Reis, no ano de 2002 – e de uma forma trágica, soterrados. Eles amavam a Deus de uma maneira especial e Cristo reinava livremente nas suas vidas. Todos eram integrados e participantes no Reino do Senhor. Não mediam esforços investindo seu tempo e bens financeiros no Reino de Deus. A casa deles estava sempre cheia com muitos amigos após os cultos ou qualquer ocasião. O lar deles era um lugar de festa, amor, alegria e abrigo. A família ultimamente estava com uma maratona linda de leitura de livros cristãos e compartilhavam com alegria suas descobertas sobre a Palavra de Deus. Quinze dias antes tinham me ligado e todos falaram quase que juntos, vibrando com descobertas na vida cristã. Minha sobrinha – 13 anos - compartilhava o livro sobre vida cristã que estava lendo, com uma alegria impressionante. Ainda hoje, é difícil entender tudo o que aconteceu e por isto me apego na Palavra, onde e só ali poderei encontrar consolação. "Bem-aventurados os mortos, que desde agora, morrem no Senhor. Sim, diz o Espírito, para que descansem das suas fadigas, pois as suas obras o acompanham." (Ap 14.13) Onde aprendi isto? Em casa e depois na organização infantil e feminina da denominação Batista – Mensageiras do Rei.

Quando crianças – quatro meninas - para nosso desespero, às vezes, mamãe chamava – na melhor hora das brincadeiras - para o culto doméstico. Minha mãe lia a meditação da Revista Manancial, cantávamos um ou dois hinos e orávamos. A oração da minha mãe era muito, muito grande. Ficávamos cansados e às vezes uma de nós orava para acabar logo. Fomos crescendo e mudando algumas coisas. Em outra época, usávamos a caixinha de promessas. Era engraçado, pois as mais velhas tiravam alguns versículos da caixa e liam para os menores. Nem sempre líamos o correto (risos). Trocávamos os versículos só para implicar. Aquele momento era hilariante e o mais usado era Provérbios 6.6 – “Vai ter com a formiga, ó preguiçoso, considera os seus caminhos e sê sábio”. Guardo grandes recordações delas rindo e resmungando. Todas nós e nossos filhos pertencem a Cristo.

O hino mais cantado era 162CC (386HCC), Vigiar e orar, de autor desconhecido. O Pr. Alfredo Henrique da Silva, português é o tradutor e a música, do hinário francês - Salmos e cânticos - que gostávamos muito é da Sophia Zuberbühler. Nunca saiu da minha mente e da minha memória afetivo-emocional a mensagem de tão grande significação e ensinamento. Minha mãe, Elcy Rodrigues, foi muito feliz em escolher este hino como o oficial da nossa família. (meu pai não era crente e nunca participou destes momentos),

1. Bem de manhã, embora o céu sereno
pareça um dia calmo anunciar,
vigia e ora: o coração pequeno

um temporal pode enfrentar!

Bem de manhã, e sem cessar,/ vigiar, sim, e orar!

2. Ao meio dia, quando sons e brados

abafam mais de Deus a voz de amor,
ao Salvador entrega os teus cuidados
e vive em paz com o Senhor!

3. Do dia ao fim, após os teus lidares,

relembra as bênçãos do celeste amor
e conta a Deus prazeres e pesares,
deixando em suas mãos a dor!

4. E, sem cessar, vigia a cada instante,

que o inimigo ataca sem parar!
Só com Jesus, em comunhão constante
tu podes sempre triunfar.

Vejam, mesmo que mais nada fosse dito, só este hino por si mesmo diz tudo. Durante alguns momentos do dia, na hora do sufoco, sempre foi impossível não pensar em algumas das estrofes. Já embalei meus filhos com este hino e recentemente ao ninar meu neto Gustavo, recém-nascido, também me peguei cantando o velho hino do culto doméstico da minha infância.

Um dia, na hora do almoço - sempre orávamos antes da refeição - era a vez do João Marcos, o meu filho mais velho. Do alto dos seus cinco anos, ele orou e ao final pediu a Deus perdão pela sua multidão de pecados... Chorei de tristeza ao ver meu filho tão pequeno, com um semblante quase angelical falando assim. Fiquei indignada e perguntei onde ele tinha aprendido aquilo. A empregada doméstica que morava conosco disse que deveria ter sido na igreja. Ela afirmou que não orava assim. Nem eu, nem seu pai também assim fazíamos. Fiquei pensando e questionando: o que será que estão ensinando aos meus filhos na igreja? Eu tinha mil idéias, conceitos e práticas alternativas para cuidar dos meus filhos e agora alguém despreparado ensina, na classe da EBD que ele tem multidão de pecados? Não, não queria que meus filhos crescessem cheios de culpas e orando para um Deus punidor e repressor.

Estou contando isto, para que possamos estar atentos a tudo que possa formar ou deformar a vida dos nossos filhos. Graças a Deus a vida cristã do meu filho João é normal. Foi assim que ele me respondeu quando com dezesseis anos, perguntei-lhe por telefone: E aí meu filho, tudo bem? E a fé? Normal mãe, disse ele. E assim tem sido. Hoje tem 30 anos e sua fé em Deus é firme, constante. Não é de altos e baixos. Natural é ir à igreja ou a reuniões tipo Células, tocar violino nos cultos, ofertar e dizimar com alegria e disposição. Ajuda os que trabalham com ele, facilitando suas vidas economicamente falando. Agora, quando estive em sua casa, eu vi e ele fez questão de me dizer que o casal estava estudando a Bíblia e lendo um livro cristão junto com sua jovem esposa. Vão cedo para o quarto e ali lêem e se divertem com seus livros prediletos, dão gargalhadas compartilhando trechos engraçados. Estão se preparando para quando Deus trouxer filhos para eles cuidarem.

Ah, o Felipe, aquele do início do artigo, em uma ocasião quando cheguei para dar o beijo e a bênção ele me surpreendeu recitando João 1, inteirinho, de cor. Surpresa, ele me disse: Mãe, está pensando que só você conhece e estuda a Bíblia? Foi lindo. Ele tinha nove anos. Hoje, com 29 anos, tem dois filhos e é líder atuante na igreja gostando de pregar, de ensinar.

Bem, já escrevi muito, mas o que vai valer na realidade é a sua comunhão com Deus, que vai servir de exemplo para seus filhos e sua família. Bem, criatividade ajudará muito.

Queridos, Deus pode capacitar cada um de nós e completar as nossas falhas.

Westh Ney - profª no Seminário do Sul de História da música, Gestão da música na Igreja e Culto Cristão. É membro da Igreja Batista Itacuruçá, Tijuca, Rio/RJ

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Recitais de formatura em música Sacra no STBSB

Renato Farias, Recital de Regência
Segunda, 01/12, 20h
Capela do Seminário do Sul/ STBSB
Rua José Higino, 416 - Tijuca, Rio
tel:. 2570-1833

*********
d.. 03 de dezembro - piano - Ludmila Gomes Santos (20h)
e.. 15 de dezembro - piano - Gisele Rosa Batista (20h)

Outros eventos:

4 de dezembro - Concerto de natal do coro Oquyra, na Capela do STBSB (20h)

Abraços,
Westh Ney

domingo, 23 de novembro de 2008

A cadela e o táxi na Leopoldina

Caros amigos

Hoje, dia 22/11/2008, chegando lá pelas 23h vindo da PIB de Mesquita, desci na Leopoldina para pegar um táxi e voltar para casa. Presenciei algo que não sei adjetivar: uma cadela imobilizada por 4 motoristas de taxi e um deles com uma seringa em sua boca.

Ao entrar no veículo perguntamos ao motorista o que ele e seus amigos faziam. Ele disse que passou ontem a manhã e a tarde na SUIPA, cuidando deste animal. Ela está com uma doença no coração e tem que tomar 5 remédios por dia até o final da sua vida.

Resumo:
Esta cadela e sua companheira foram adotadas pelo ponto de taxi. Elas vivem ali e como o ponto funciona dia e noite são cuidadas por eles. Os remédios são comprados por eles.

São cães de rua, abandonados.
Isto é bonito e comovente.

Bem, além dos animais temos crianças, velhos e loucos abandonados e jogados pelas ruas desta cidade...

Alguém adotará estes humanos?

Abraços,

sábado, 8 de novembro de 2008

Agenda - minha e dos amigos

Westh Ney:

AO ESCREVER UM TEXTO

Do livro O PRAZER DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA (São Paulo: Hagnos), dois quadros sobre a produção de textos, voltados para trabalhos acadêmicos, mas que se aplicam a qualquer tipo de texto. Este livro é do diretor geral do STBSB - Prof. Israel Belo de Azevedo

PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO
Ao escrever um texto, considere os seguintes princípios:

1. Clareza -- O texto está claro para o leitor?
2. Concisão -- O texto diz o máximo com o menor número possível de palavras?
3. Correção -- O texto respeita rigorosamente a gramática?
4. Encadeamento -- O texto está organizado de modo lógico e harmônico?
5. Consistência -- O texto usa os verbos nos mesmos tempos e os pronomes nas mesmas pessoas?
6. Contundência -- O texto vai direto ao ponto?
7. Precisão -- O texto usa os termos de modo preciso?
8. Originalidade -- O texto é original, agradável e criativo?
9. Correção política -- O texto é "politicamente correto"?
10. Fidelidade -- O texto é honesto com as fontes?

DEZ CONSELHOS PRÁTICOS
1. Escreva frases breves e parágrafos curtos. Não complique.
2. Encadeie as frases e os parágrafos logicamente. Não faça uma colcha de retalhos.
3. Evite apelar para generalizações. Não seja superficial.
4. Evite repetir palavras. Não seja pobre no seu vocabulário.
5. Evite modismos lingüísticos. Não pareça um deslumbrado.
6. Evite as redundâncias. Não seja apressado.
7. Abstenha-se de superlativos, aumentativos, diminutivos e adjetivos em demasia. Não seja pernóstico.
8. Faça poucas citações diretas; opte por reescrevê-las, creditando-as aos
seus autores. Não compile.
9. Use as notas de rodapé para definições e informações. Não seja óbvio.
10. Lembre-se SEMPRE que você está escrevendo para um leitor real.

Prof. Israel Belo de Azevedo - www.prazerdapalavra.com.br

sábado, 1 de novembro de 2008

Música na Igreja 1

Jovens preparados para servir ao seu Senhor com música na Igreja - part 1
Westh Ney R. Luz

“Vocês também, como pedras vivas, deixem que Deus os use na construção de um templo espiritual onde vocês servirão como sacerdotes consagrados a Deus. Mas vocês são a raça escolhida, os sacerdotes do Rei, a nação completamente dedicada a Deus, o povo que pertence a ele. Vocês foram escolhidos para anunciar os atos poderosos de Deus, que os chamou da escuridão para a sua maravilhosa luz.” (1Pedro 2.5,9).

Sim vocês foram chamados para anunciar os atos poderosos de Deus, também cantando, fazendo música. Convidada para escrever para vocês, jovens que amam a Cristo e são chamados por Ele para um ministério maravilhoso, emocionante e complicado que é o da música na igreja, estou aqui, sem saber como começar; como alcançar seu coração, quer dizer, sua mente? O que será que você quer, ou melhor, o que será que você precisa saber?

Sabe, resolvi falar com vocês da mesma forma que falo com meus alunos no Seminário do Sul (STBSB). Muitos estão em suas igrejas servindo, completamente entregues nas mãos de Deus, conscientes de como é importante a tarefa que o Senhor Deus colocou em suas mãos. Cantam, tocam dirigem cantos, participam de vários coros e bandas, chamadas Gospel.

Então vamos lá? O que é ministério? O que é culto? Para que serve a música? Sim, para que serve a música na igreja?

Vamos começar com esta citação de Campbell Morgan, que pincei do livro - A Cruz de Cristo de John Stott, grande pregador e que termino o 1º capítulo do livro Culto Cristão – contemplação e comunhão, que diz:

“Só o homem crucificado pode pregar a cruz.. Disse Tomé:” A menos que eu veja em suas mãos o sinal dos cravos... não crerei”. O Dr. Parker de Londres, disse que o que Tomé disse acerca de Cristo, o mundo hoje está dizendo a respeito da igreja. E o mundo também está dizendo a cada pregador: A menos que eu veja em tuas mãos as marcas dos cravos, não crerei”

Queridos jovens que amam o Senhor Jesus, que desejam fazer diferença neste tempo, neste mundo prestem atenção: só uma pessoa redimida no sangue do Cordeiro, que morreu e renasceu para uma vida nova com Cristo pode pregar esta mesma Cruz, pode falar deste grandioso e misterioso amor. Amor que vem de Deus e que move o seu coração para o serviço ao Senhor e ao próximo. Para desenvolver um excelente e verdadeiro trabalho com a música na igreja precisa ser realmente convertido, salvo em Cristo Jesus.

Para que possamos ser bênção na nossa igreja, ajudando a congregação para que ela cante bem, com entendimento e com emoção seus louvores ao Senhor precisamos ser mais humildes. Reconhecermos que sabemos pouco, esquecer o título de “Levitas” – pois não estamos mais no Velho Testamento, com classes sacerdotais. Hoje, na nova Aliança somos todos sacerdotes do Senhor. Sacerdotes para ajudar, apoiar a congregação, a sua comunidade religiosa a reconhecer os atributos de Deus (Adoração) e demonstrar isto em cantos, orações, leituras bíblicas, posturas, atitudes que será o seu louvor. Louvor é tudo o que você faz como resultado do seu reconhecimento de quem Deus é. É a sua adoração em ação!

Se quisermos ser bênção, precisamos estudar de verdade. Vejo pessoas bem intencionadas e com vontade de aprender, que participam de cursinhos de final de semana, escutam algumas palestras, compram alguns poucos livros e muitos CDs, “xerocam” tudo que outros pesquisaram, estufam o peito, empinam o nariz e revirando os olhos sentem-se prontos, ou autorizados para este ministério. Da Palavra de Deus, a Bíblia, sabem pouco e de música alguns até sabem, mas não entendem que ministério é serviço. Que música na igreja é ministério e não palco. Que culto não é o momento para demonstração de performances, atuações as mais variadas e desconexas. Ao final deste artigo relaciono alguns links e livros para você dar uma pesquisada.

Vocês até podem achar que “peguei pesado”, mas tenho visto isto ao longo de alguns anos nas igrejas, em encontros e congressos que tenho participado.

o artigo continua em outra postagem.