quinta-feira, 1 de novembro de 2012

SOBRE O BELO, A ESTÉTICA E OS ALUNOS


Westh Ney Rodrigues Luz


Lendo recentemente um texto sobre  Estética e História da Arte veio logo á minha memória  dois casos que vivenciei.

O primeiro aconteceu no Metrô do Rio. Uma mulher me abordou quando lia o livro " Apreensão do Belo" de Meltzer e Williams. Perguntou-me se era sobre a prisão do Belo (o cantor). Fiquei sem ação e simplesmente respondi não. Não havia espaço para uma discussão filosófica dentro de um transporte coletivo, ainda mais quando ela pergunta isto bem alto. Os parâmetros culturais que ela trazia  não me trouxe tranquilidade para discutir ali o quê ou quem era o Belo em questão.

O segundo caso que me trouxe perplexidade foi ver em um Colégio tradicional e particular da Zona Sul do Rio de Janeiro – onde lecionei Educação artística – as professoras das turmas e as de arte sendo obrigadas pela direção retocarem as pinturas e os quadrinhos feitos pelas crianças. De maneira alguma estes objetos poderiam ser enviados aos pais, era a ordem da direção.. Desde cedo a Escola adestrando e formatando a criatividade, o olhar estético das crianças. A arte não é esta cópia do real, ela é além, é maior.  

O que é Estética e o que é Belo? Será que é algo que nos toca, nos faz bem só de olhar ou ouvir, que afeta  nosso senso estético desde a natureza, árvores, flores, animais, pessoas até criações artísticas?

Estética (em grego aisthetikós)  é a sensibilidade que temos para perceber as coisas. Uma obra de arte por mais perfeita ela ainda precisa de quem a observa, pois o artista a concebe, mas quem a vê o recria. Seres humanos são sensíveis ao apelo da beleza. Como se fosse um sentido subjetivo para apreciar, não simplesmente ver ou ouvir. O Belo é algo que consegue exprimir o que foi proposto naquela obra ou objeto. Por mais estranho que seja o objeto, ele cumpriu as regras que se propôs usar para chegar ao seu final e chega a alguém e este será impactado por esta arte ou este objeto e cada um fará a sua leitura. O feio seria o contrário - não atingiu o seu alvo. (SIGNORELLI,  2008, p. 15)

Immanuel Kant (1724-1804) afirma  que o Belo é  aquilo que agrada universalmente, ainda que não se possa justificá-lo intelectualmente. Para ele, o objeto é uma ocasião de prazer, cuja causa reside no  sujeito, em que aprecia ou está exposto a este encontro com a Arte. Sobre o Sublime em arte, este é mais do que pensar no Belo que é variável em cada época. Sempre tenho aplicado este conceito com meus alunos. O sublime é mais uma   potencialização do Belo, ligado ao sentimento, à expressão e não à racionalidade. 

Voltando ao conceito de Arte e de Belo, esta (arte)  alcançará o objetivo que aquele objeto estava proposto. Não é para ser a perfeita  representação da realidade mas ela, a arte, usará corretamente o que desejar com regra para ter o seu objeto do jeito que o imaginou. No quadro de  Honoré Daumier – Queremos Barrabás - , a arte tem ali como objeto a sociedade onde mesmo retratando a miséria, ali existe o Belo. (ARGAN, 1992, p.64)

Para que haja a percepção do significado do Belo é preciso ter uma experiência estética e então penso na Escola, na família e nas instituições que precisam proporcionar isto às pessoas, mais precisamente e prioritariamente às crianças.  

Será que o Belo que cada um percebe não está impregnado da sua cultura, será que nossa percepção é totalmente isenta ou foi formada? Olhando por outro ângulo é assustador imaginar que nós professores podemos influenciar o aluno. Não podemos impor nossa estética à outra pessoa, ao aluno, mas podemos abrir janelas para que conheçam obras de arte de qualquer forma (plástica, música, poesia...) 

No encontro com a história da Arte, conhecendo as características de cada período, e entendendo que nenhuma arte está solta no espaço mas,  que ela acontece no espaço social, na cultura de cada lugar onde ela nasceu,  nossos alunos expandirão seus horizontes e aprenderão a apreciar a Arte que agora conhecem pois foram apresentadas 

Quando de forma interdisciplinar a Arte , a História, o Português, a Música e outras áreas de conhecimento conseguirem um entrelaçamento recriando o ambiente social do período histórico e social que estiver em questão, teremos alcançado uma forma criativa e eficaz de ensino. 
..........
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA 

ARGAN, Giulio Carlo. Arte Moderna. SP: Companhia das Letras, 1992.
INSTITUTO DE GESTÃO EDUCACIONAL SIGNORELLI. Guia de estudo em 
       ARTES, Estética e História da  Arte. RJ: SIGNORELLI, 2008.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Fotos - CD Hinos

Gravação no Grande órgão da 
Evangelische Stadtkirche Karlsruhe, Alemanha





Lançamento no Leopoldo Miguez dia 01/09/2012, na Escola Nacional de Música da UFRJ, no Rio de Janeiro








terça-feira, 4 de setembro de 2012

CD Hinos ao Grande órgão da Evangelische Stadtkirche Karlsruhe, Alemanha


1. “O Deus de Abraão“ Cantor Cristão 14
D. J. Dayyam, melodia tradicional hebraica, arranjo de Gordon Young

2. “Santo, Santo, Santo“ Cantor Cristão 9
R. Heber, J. B. Dykes, arranjo de Emma Louise Ashford

3. “Oh , Tu que ouves nossas petições” 
G. Croly, F. C. Atkinson, arranjo de Frederick Swann

4. “Exultação“ Cantor Cristão 15
F. J. Crosby, W. H. Doane, arranjo de Frederick Swann

5. “Oração de criança“ Cantor Cristão 540
S. E. McNair, J. Calasans, arranjo de Amaru Soren

6. “A Linda Estrela da Manha“
Philipp Nicolai, arranjo de Niels Wilhelm Gade

7. “Castelo Forte“ Cantor Cristão 323
Martin Luther, execução da Toccata e arranjo Christian-Markus Raiser

8. “Tudo entregarei“ Cantor Cristão 295
J. W. Van De Venter, W. S. Weeden, arranjo de Lani Smith

9. “Luz Benigna“ Cantor Cristão 355
J. H. Newman, J. B. Dykes, arranjo de Van Denman Thompson

10. “Olhando para Cristo“ Cantor Cristão 579
J. F. Soren, C. A. Miles, arranjo de Eugenio Gall

11. “Decisão“ Cantor Cristão 452
F. R. Havergal, I. D. Sankey, arranjo de Amaru Soren

12. “De joelhos partamos nosso pão“
Negro Spiritual Norte-Americano, arranjo de Dale Wood

13. “Oh mundo, tenho que deixar-te“
Heinrich Isaac, arranjo de Karl Wolfrum

14. “A Cidade Santa“ Jerusalém Cantor Cristão 521
F.F. Weatherly, S. Adams, arranjo de Amaru Soren

* A venda dos CDs será para ajudar o Lar Batista F.F.Soren.
 Pedidos do CD HINOS ao órgão com Amaru Soren - CD beneficiente para o Lar Batista Ffsoren - secretaria@pibrj.org.br aos cuidados de João Marcos Soren - custo $20,00
.................................................................................................................................................................


Lar Batista F.F.Soren - um Lar para crianças em Tocantins

Tudo começou em 1930, quando um casal de missionários, Francisco e Beatriz Colares, escolheram um bonito lugar às margens do Rio Manoel Alves Pequeno, no norte de Goiás, e ali construíram um templo, uma escola e a casa de moradia.  Chão de terra batida, teto de palha e amor...  assim nasceu Itacajá. Atualmente situa-se ali a fronteira com a reserva dos índios Craôs.

Em uma de suas viagens, o missionário Francisco Colares encontrou três crianças completamente sozinhas, abandonadas, num rancho de palha à beira do Rio Vermelho.  O pai havia saído para procurar trabalho e a mãe morrera logo depois.  
Ao chegar em casa e relatar à esposa, Beatriz, ela não vacilou: "Abriremos um orfanato para abrigar os órfãos que Deus nos mandar".

Surgiu, assim, em 28 de abril de 1942, o Orfanato-Escola Francisco Fulgêncio Soren, hoje Lar Batista F. F. Soren, tendo como primeiro diretor Francisco Colares. 

Desde então vem cuidando de crianças órfãs, abandonadas, de lares desfeitos,  adolescentes em situação de vulnerabilidade social, encaminhados pelo Juizado de Menores e Conselho Tutelar. 

Funciona atualmente em sistema de casas-lares, prestando assistência educacional, emocional, espiritual, de nutrição, saúde, música e profissionalização. Conta com o apoio de igrejas, instituições de saúde e profissionais voluntários. 

Em ambiente seguro e acolhedor são assistidas de forma integral, preparando-as para a vida futura e buscando sua reinserção aos lares de origem ou adoção por família substituta.  

O Lar abriga hoje trinta crianças. Sob a direção do Pastor Robson Rocha e esposa Judith Rocha, e está situado em Luzimangues no estado de Tocantins.


Concerto de órgão no Lançamento do CD HINOS


Palavra final e agradecimentos do organista Amaru Soren no dia 01/09/2012

O caminho até aqui, até o dia de hoje, com a gravação feita, o CD pronto; foi um caminho pleno de surpresas.  Nunca poderia imaginar, quando algum tempo atrás  pensei em gravar um CD de hinos ao órgão, para apoiar o orfanato  das crianças em Tocantins, o envolvimento, a prontidão de tantas pessoas,  a dimensão  que ganharia  este projeto.

A comunhão que os hinos nos trazem....

Na realidade  o trajeto  deste CD  foi iniciado há mais de vinte anos atrás, quando um grupo de voluntários da PIB-RJ realizou um projeto missionário que envolvia assistência médica, social e musical em Itacajá, pequeno povoado as margens do rio Manuel Alves Pequeno em Goiás. Ali conhecemos de perto as crianças do Lar Batista   e também as necessidades das pessoas que vivem na região.Do outro lado deste rio tranquilo, a fronteira com a reserva dos índios Craôs,  que atravessavam o rio muitas vezes para nos visitar.  

Anos mais tarde, uma igreja na Alemanha coloca o seu instrumento mais valioso, um órgão que possui mais de cinco mil tubos,  a disposição para a gravacão deste CD.  Um engenheiro de som com a sua equipe e aparelhagem,  desloca-se da cidade de Leipzig  em direção o sul da Alemanha, Karlsruhe,   para captar o encanto do som deste instrumento  ressoando na acústica do santuário dessa igreja.

De abril até junho de 2012 foram realizadas várias sessões de gravacão,  que em função das atividades da igreja e da procura de maior silêncio,  se iniciavam a partir das 22 horas, e entravam noite adentro.  Um dos cuidados desta gravação  foi de procurar uma sonoridade   não em primeira linha digitalizada,  mas sim, uma sonoridade mais próxima possível  dos harmônicos envolventes,  podemos até dizer harmônicos litúrgicos,  que são proporcionados pelas madeiras, pelos metais, quando em contato com o ar em um órgão de tubos.

A etapa final,  relacionada com mastering, artes gráficas e impressão, contou com a preciosa colaboração de técnicos, artistas e profissionais  aqui do Rio de Janeiro e de outros estados.  

E para o encontro de hoje,  tantas pessoas com tantas responsabilidades: na divulgação deste encontro,  na preparação do programa impresso que temos em mãos;  a equipe de recepção, a equipe de venda de CDs.  Na decoração com as flores, com o cântico, narração,  assistência com a registração e detrás do palco nos bastidores.  Ensaios aqui organizados e a disponibilidade deste órgão maravilhoso neste salão belíssimo.  Voluntários que colaboraram com tanto amor.  O meu sincero obrigado.

Com o CD de Hinos temos junto um encarte, como fosse um livrinho. 
Meu desejo foi,  mesmo em um pequeno espaço  e com uma letra muito miúda,  fornecer o máximo de informações sobre a fonte e história dos hinos gravados, estimulando assim à pesquisa.
Temos também neste encarte, uma estrofe e estribilho de cada hino; informações sobre os hinários  onde poderemos encontrar a versão original de cada hino, seja em inglês ou alemão, como também  informações sobre os hinários onde encontraremos a tradução em portugues mais próxima da versão original.  



A imagem que está no CD, é o nosso planeta: a terra.
A comunhão que os hinos nos trazem...

O último período de gravacao deste CD  foi feito no dia 12 de Junho passado,  na Igreja Luterana da cidade de Karlsruhe, Alemanha  com o hino “Luz benigna“. 
O dia estava clareando quando concluímos....
Tenho a certeza de que a “Luz Benigna“  tem acompanhado este projeto.  

Por isso gostaria que concluíssemos este encontro entoando juntos este hino, que está impresso no programa. Após uma introdução ao órgão e ao meu sinal, vamos cantá-lo !

Este hino fala-nos de uma Luz, de um caminho, de um Lar celestial... 
Que esta Luz  venha iluminar o nosso caminho. 
Que esta luz venha iluminar a vida de cada crianca no Lar, lá em Tocantins. 
Que esta luz venha iluminar a crianca impaciente, cansada, as vezes triste, 
que está dentro de cada um de nós.
E que então, possamos todos ser inspirados, refortalecidos e assim prosseguir. 
                                                                                                                                            Amaru Soren
                                                  Salão Leopoldo Miguez na Escola Nacional de Música da UFRJ  
01/09/2012
...................................................................................................................................................................
Amaru Soren

Amaru Soren é formado pela Universidade federal do Rio de Janeiro com a distinção “magna cum laude”. Estudou piano, órgão, canto e regência, aperfeiçoando-se na Europa no Mozarteum Salzburg, Accademia Rossiniana di Pesaro, Staatliche Hochschule für Musik Karlsruhe. 

Formou-se em Música Sacra, especializando-se em órgão, no Seminário Luterano Beuggen,
Baden-Württemberg, na Alemanha, obtendo no exame final o grau máximo.

Idealizador e regente do Aulos (1975–1990) , conjunto de música sacra renascentista e barroca da Primeira Igreja Batista do Rio de Janeiro, foi organista desta igreja por oito anos e regente do Coro João Soren. Atuou como organista de diversos coros evangélicos no Brasil, colaborando com o Coral Excelsior na época da direção do saudoso Maestro Saulo Velasco. 

No Theatro Municipal do Rio de Janeiro apresentou-se como cantor solista, participando em concertos e produções de óperas também na Alemanha, Franca, Itália e Suiça. Posteriormente, apoiado pelo Maestro Gianni Socci, em Roma, profissionalizou-se como maestro preparador, trabalhando com artistas do porte de Edita Gruberová, Ernesto Palacio, Renata Scotto, Lorna Myers, Benjamin Matthews, Julia Varady, Nicolai Gedda, entre outros.

Como pianista recebeu a Medalha de Ouro Villa-Lobos e o Prêmio Guiomar Novaes. Em 2004 foi premiado pelo governo alemão por sua direção musical em “Mowgli”, espetáculo em estilo Musical com os jovens talentos do Badisches Konservatorium.  Atualmente é maestro de repertório operístico na Staatliche Hochschule für Musik Karlsruhe, Alemanha. 

Amaru Soren é pesquisador da Hinódia e Salmódia cristãs, tendo realizado oficinas e palestras ilustradas sobre Música Sacra, Culto Cristão, O Organista Litúrgico, em igrejas e instituições religiosas no Brasil.

Desde 2009 é organista na Evangelische Stadtkirche Karlsruhe e tem participado em cultos e ofícios litúrgicos em diversos templos de diversas confissões irmãs: 
Baptist Friedenskirche em Berlin, Calvary Baptist Church em New York, Chiesa Evangelica Valdesa di Roma, Igreja Batista de Roma, na Itália, Église Saint-Pierre de Montpon-Menésterol,  Église Saint-Nicolas de Tarbes, na França e demais representativas igrejas luteranas na Alemanha. 

É organista regularmente convidado do Templo Francês dos Uguenotes, na cidade de Erlangen, onde a herança musical do Saltério de Genebra é cuidadosamente preservada e cantada nos cultos. 

Amaru Soren é filho da musicista Marilia Soren e neto do Pastor João Soren. É irmão de Suray Soren e sobrinho de João Marcos Soren.

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Agenda Westh Ney_2012


Set, 07 - 10 - Foz de Iguaçú – PIB _ Oficinas: Musicalização, Coro e Culto
.................................

Out, 4 a 14 - Viagem anual do Coro na Bagagem2012 - Paranaguá (Curitiba) e Porto Alegre
Out, 19, 20 e 21 - 30º Congresso de Músicos da AMBF -  oficina de Culto Cristão - PIB em Rio Bonito.
.............................
Nov, 11 - PIB de Goiânia// MM Marcus Vinicius Vianna
Nov, 18 -  manhã - PIB no Bairro das Graças, em Belford Roxo.
                  Pr Isaías Coelho da Palma, MM Luis Armando Oliveira
Nov, 18 - noite - Igreja Batista Vila Isabel
Nov, 25 - manhã, 10h - Igreja Batista em Padre Miguel _ Allan Robson
Nov, 29 - quinta - 3ª Igreja batista em Areia Branca
......................

Abril, 01, 09h/12h - PIB Rio Bonito
Abril, 11, 15h/16h40 - Hosp. Evang. // Culto de Páscoa
Abril, 13 a15 – Coronel Fabriciano, MG // Culto, Adoração
Abril, 20_ 19h30 -  Segunda IB Inhaúma // Culto Cantado_ Coro  na Bagagem
Abril, 24, 19h -  Seminário Teológico de Cabo Frio / Conferência  Teológica
.............................

Maio, 19_ 19h - IB. Retiro,  Volta Redonda // Encontro de Coros
Maio, 26, sábado_ 19h30 - Terceira Igreja Batista em Conceição de Macabú - posse da MM Tâmara Suellen
.............................

Junho, 09 e 10 -  Bahia na  PIB CATU-BA para histórias e apresentação do HCC.
Junho 17 - dom, manhà_Encerramento do Congresso AMBG_manhã_ Igreja Batista do Rocha, RJ
Junho, 23 e 24 - sáb. e dom- PIB Travessão da Barra, S. Francisco Itabapoana/ Pr. Alonso Colares // Congresso para coros
Junho, 29, sexta, 14h - PIB de Madureira / AMBC, Congresso, painel: Ministro ou Gestor
Junho, 30, sábado, 8h30 /12h - PIB de Itaboraíí -  palestra como se deve falar em público, como dirigir culto,  como estar à frente de uma programação...
Junho, 30, sábado, 19 horas, Encontro de coros_IB Monte Moriá_MM Cláudia De Paula Teixeira
.............................

Agosto, 30 - Igreja Batista Memorial da Tijuca – 19h30

.............................
Set, 01 - PIB em Vila Rosali_Encontro de Coros_ MM Karla Araújo_16h
Set, 02 - PIB de Niterói para apoiar a posse da nova MM - a Mere Marcia Bello
Set, 02  - Igreja Batista XV de Novembro_19h15 -  Coro Celebrai - 65 anos

quinta-feira, 14 de junho de 2012

A MÚSICA NA IGREJA por Westh Ney


Muitas pessoas hoje congregam em uma igreja sem saber quais as suas doutrinas. O conteúdo teológico e até doutrinário é ensinado pelas canções, cantos (hinos ou cânticos) que são veiculados pelas rádios chamadas evangélicas, que promovem cantores que são indicados pelas gravadoras, que os transformam em ícones ou ídolos, promovendo shows.


Há uma confusão reinante, pois se na canção a palavra escrita citou Deus, fé, cruz, fogo vivificador, chuvas e alguns outros símbolos que estão na Bíblia, se os termos bíblicos estão presentes, então é digno de estar sendo cantado no culto, independente da denominação, da igreja. E muitos sem conhecimento das suas doutrinas querem empurrar ou fazer o mesmo em cultos nas suas igrejas locais. Não estou falando de jovens músicos. Estou falando de todos que fazem assim independentes da idade.
 
Tocou na rádio chamada evangélica, apareceu na TV em cultos-shows, achamos que seria bom para a nossa igreja. Tem coisa para ouvir, ficar feliz, alegre, mas nem tudo serve para um culto público. Nem tudo serve para a sua igreja ou mesmo denominação.


Muitos músicos cristãos estão em suas igrejas servindo a Deus e à sua comunidade, entregues completamente nas mãos de Deus, conscientes de como é importante a tarefa que o Senhor Deus colocou em suas mãos. Cantam, tocam dirigem cantos, participam de vários coros, orquestras e bandas, chamadas hoje Gospel.


Aliás, falando em Gospel – este é um termo hoje difundido como tudo o que se refere á algum material religioso, não só música e não somente restrito ao mundo evangélico, por exemplo, existem bandas de outros segmentos cristãos como os católicas que cantam Gospel. A palavra Gospel que dizer "boas novas" e era a música cristã negra nos Estados Unidos da América desenvolvida do velho estilo musical dos Negro Spirituals. Paralela ao Blues, os cantores de música cristã ou Gospel ficavam restritos aos cultos nas igrejas batistas Afro-americana. A música Gospel utiliza solos improvisados e coro.


Nos anos 90 este termo tornou-se, segundo a pesquisadora Dra. Magali do Nascimento Cunha como “uma cultura religiosa nova, um jeito de ser diferente daquele construído pelos evangélicos brasileiros ao longo de sua história. Novos elementos foram adicionados como resposta ao tempo presente, que é fortemente marcado pelas culturas da mídia e do mercado, e pelo crescimento de novos movimentos evangélicos, principalmente o pentecostalismo”. 

Diz ela ainda: “Uso o termo “gospel” para definir esse modo de vida porque ele emerge do fenômeno que ganhou corpo nos anos 90 – o movimento musical que detonou um processo e configurou algo muito maior. Surgiu uma forma cultural, um modo de vida gospel. Ele não é uma expressão organizada, delimitada; mas resulta do cruzamento de discursos, atitudes e comportamentos entre si e com a realidade sociopolítica e histórica. (...) testemunhamos uma ampliação, sem precedentes, do mercado religioso e de formas religiosas mercadológicas (...). Com isso, temos uma nova cultura experimentada, um novo modo de ser evangélico: privilégio à expressão musical, envolvimento no mercado e espaço para o lazer e o entretenimento.” Entrevista na íntegra em  http://www.imbitubagospel.com.br/capa/os-evangelicos-criaram-um-novo-jeito-de-ser-afirma-pesquisadora-confira-a-entrevista/


Ainda mencionando Dra. Magali Cunha, recomendo a leitura da sua tese já editado em livro pela Mauad - “Vinho Novo em Odres Velhos" - Um olhar comunicacional sobre a explosão gospel no cenário religioso. http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27134/tde-29062007-153429/pt-br.php


Para que serve a música? Sim, para que serve a música na igreja? Como encaixar esta música nos serviços de culto?  A música sensibiliza e atrai. Trabalha na emoção, mas música na igreja é um meio e não um fim nela mesmo. É para o louvor a Deus e também para chegar até as pessoas promovendo alívio, cura, prazer...


Em 1984, a AMBB – Associação dos Músicos Batistas do Brasil - escreveu um documento sobre a Filosofia e fundamentos da música na igreja. Este documento tem sido seguido pela maioria dos músicos batistas, que é a denominação que sirvo. Estudei em um Seminário Batista – o Seminário do Sul e todos que por lá passaram desde que o Curso de música Sacra foi criado (há 46 anos) seguem esta mesma filosofia. Este documento diz assim sobre Música Sacra: 

“A música sacra, tanto para o executante como para o ouvinte comunica a realidade de Deus, revela Deus a seus atributos, evoca uma resposta a uma revelação divina  por parte das pessoas e cria condições para facilitar a ocorrência de experiências  pessoas com Deus.


A música na Igreja é uma música funcional. Não é arte pela arte. É Arte com uma função. Assim nós acreditamos. Assim eu caminho. Música na Igreja é para Culto, Adoração, Glorificação e Louvor ao Deus - Pai, Deus- Filho e Deus - Espírito Santo. Música na Igreja é para ensino, edificação e crescimento cristão. É para consolo, conforto, testemunho, evangelização e proclamação da Palavra de Deus.


Há na Bíblia, que a nossa regra de Fé e prática, alguns textos que nos chamam, nos conclamam:  

 “A palavra de Cristo habite em vós ricamente, em toda a sabedoria;ensinai-vos e admoestai-vos uns aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais, louvando a Deus com gratidão em vossos corações.” Colossenses 3.16


“Cantai alegremente a Deus, nossa fortaleza; erguei alegres vozes ao Deus de Jacó. Entoai um salmo, e fazei soar o adufe, a suave harpa e o saltério.” Salmo 81.1, 2

“Que fazer, pois? Orarei com o espírito, mas também orarei com o  entendimento; cantarei com o espírito, mas também cantarei com
o  entendimento.” 1Coríntios 14.15

Repetindo - Música na igreja é arte funcional. Cumpre uma missão. Dar vida aos textos bíblicos ou poéticos que servirão para reafirmar princípios bíblicos, doutrinas. Também servem para consolar, edificar e ensinar.  Música na igreja é ministério e não palco e culto não é o momento para demonstração de performances, ou atuações as mais variadas e desconexas.


Música na igreja é para reforço das doutrinas e complemento da mensagem falada. Como alguém pode fazer música sacra em uma igreja cristã evangélica se não possuem esta fé? Será apenas um trabalho profissional artístico a mais.


Gosto muito desta citação de Campbel Morgan, que pincei do livro - A Cruz de Cristo -de John Stott, grande pregador e que termino o 1º capítulo do livro Culto Cristão – contemplação e comunhão, que diz:


"Só o homem crucificado pode pregar a cruz". Disse Tomé: "A menos que eu veja em suas mãos o sinal dos cravos... não crerei". O Dr. Parker de Londres, disse que o que Tomé disse acerca de Cristo, o mundo hoje está dizendo a respeito da igreja. E o mundo também está dizendo a cada pregador: A menos que eu veja em tuas mãos as marcas dos cravos, não crerei.


Assim penso também. É verdade. Só o homem que morreu com Cristo, pode pregar a cruz de Cristo.   Precisamos ter cuidado para não esquecer o porquê de estarmos servindo ao Senhor Deus com música na igreja. É a percepção do seu amor que nos faz olhar para a sua cruz, e seguir alegres com esta certeza pessoal: "Eu sei que o meu Redentor vive”

Levitas?  Alguns gostam de se identificar assim. Este termo usado no Antigo Testamento para a classe sacerdotal não cabe hoje, como se os músicos de igreja e só eles fossem responsáveis por esta função. Hoje, na nova Aliança somos todos sacerdotes do Senhor. Sacerdotes para ajudar, apoiar a congregação, para levar a sua comunidade religiosa a reconhecer os atributos de Deus (Adoração) e demonstrar isto em cantos, orações, leituras bíblicas, posturas, atitudes que será o seu louvor.


Aliás louvor não é adoração. Louvor é tudo o que você faz como resultado do seu reconhecimento de quem Deus é.  Adorar é curvar-se diante do Eterno, prostrar-se, reconhecendo os seus atributos em completa submissão. Louvor é o resultado desta Adoração. Louvar é o resultado da constatação, do reconhecimento dos atributos de Deus – digno, único, onipotente, onipresente, onisciente, triúno, verdadeiro, justo, benigno, misericordioso...  – agindo em direção ao outro em nome do Senhor. Louvar não é só cantar não. Alguns gostam de pensar que Deus habita no meio da música ou das canções. Deus habita no meio dos louvores. 

Louvor é andar, caminhar com Deus, é ser comprometido com o próximo em nome do Senhor, é ler a sua palavra, é exclamar e declarar a sua Fé, é tocar, é cantar. Muitas palavras que usamos hoje como louvor na realidade elas teriam outras traduções. Vejam como exemplo estas: Yâdâ – substantivo – que pode ser confessar (credo), louvar, dar graças.  Rûn é exaltar; Zâmar, louvar com instrumentos; zâkar é lembrar; kâbed, glorificar. Tôdâ é confissão, confissão de pecados, louvor, ação de graças, oferta de gratidão e sacrifício de louvor (que em Ne 12.8 significa ação de graças). Só por isto podemos perceber que louvor é a nossa adoração em ação: ação de graças, confissão de pecados, confissão de fé e tudo isso pode ser feito em silêncio, lendo ou recitando a Palavra, orando, testemunhando. Louvor é a nossa adoração em ação. É a sua adoração em ação.

Como é a sua Igreja? Bem, então ela tem uma declaração doutrinária que ela, a igreja segue. Você conhece a declaração doutrinária da sua Igreja?  Quero ressaltar, destacar a Bíblia, pois seus princípios registram a revelação que Deus fez em linguagem humana e sua interpretação sempre deverá ser trazida à luz da pessoa de Jesus Cristo e dos seus ensinos.  Sua igreja é assim? Os cantos que ela entoar devem refletir isto.


Mas tem também algo mais. A sua igreja local, está inserida em um bairro, com uma história e com um passado histórico-emocional-cultural só dela. Único. O que outras igrejas cantam, mesmo da sua denominação, talvez não seja o que a sua comunidade religiosa esteja precisando. Já pensou nisto?


Bem, então o que será que devemos cantar? Como cantar? Com nossos cantos ensinamos, doutrinamos, consolamos, proclamamos as verdades de Deus e sua Palavra. Quando cantamos estamos orando junto, dizendo ao Senhor das nossas necessidades e tribulações. Também dizemos ao Senhor do nosso amor por ele. Quando um grupo entende e sente assim, pode ajudar e levar todo o povo a fazer o mesmo. 

Os cantos não podem ser só diretamente também falando a Deus ou Cristo. Eles precisam também falar ao coração do irmão, testemunhando do poder do seu amor. Cantos de comunhão, que falem sobre as nossas diferenças e ao mesmo tempo mostrem que o que nos une é mais forte do que o que nos separa. Somos diversos, mas o Espírito Santo que nos chamou para a Salvação e para a boa obra é o mesmo. Este Espírito de Deus é que nos une em amor.  E onde o Espírito de Deus habita, há amor, bondade, domínio próprio, paz, paciência, alegria, fidelidade, amabilidade. (lembram do fruto do Espírito em Gálatas 5. 22 e 23?).


Vamos cantar a Redenção do homem realizada na Cruz de Cristo. Cantemos este amor que nos faz irmãos, cantemos sobre Jesus e seu maravilhoso olhar e perdão, seus ensinamentos, sua verdade, sua justiça, suas leis e seu caminho que não é tão fácil, mas é o único para a Salvação. Cantemos sobre a presença do doce Espírito Santo que nos guia em toda a verdade, que nos constrange chamando cada ser humano para uma nova vida.

Na Bíblia há exemplos de canções. O cântico de Moisés – Êxodo 15.1-19 – foi o primeiro cântico registrado na Bíblia, após a passagem do mar vermelho. Um canto de vitória e gratidão. Há também o cântico de Débora em Juízes 5. 2-31, o lindo e significativo cântico de Ana - 1Samuel 2.1–10 e o cântico de Davi em 2Samuel 22.2–51 (Leia na sua Bíblia os textos indicados).


No Novo Testamento existe o belíssimo canto de Maria - Lucas 1.46 –56 – que demonstra como aquela jovem conhecia a Palavra, pois seu cântico é baseado no de Ana em 1Samuel 2.1–10 (faça esta comparação). Há o cântico de Zacarias - Lucas 1.67-80; o cântico dos anjos - Lucas 2. 14-19, o cântico de Simeão - Lucas 2.29-32 e muitos pequenos hinos em Romanos, no Apocalipse e o exemplo da importância da música quando Paulo e Silas cantam na meia-noite da vida deles. Esta passagem está em Atos 16.25


Aliás, quando falamos em adoração muitos pensam em louvor, culto no templo, solos, encontros gospel, grandes shows, cantos, muitos cantos... Porque será que confundimos tanto?

A Bíblia diz em João 4.23 que o Pai procura por verdadeiros adoradores que o adorem em espírito e em verdade. Louvor então será o resultado da adoração, pois para adorar e louvar e cultuar, o ser humano precisa ser nascido de Deus e este toque só poderá ser dado através do Espírito de Santo, pois como adorar o que não conhecemos? Em João 4.22 - “Disse Jesus: Vós adorais o que não conheceis; nós adoramos o que conhecemos.”.

Precisamos ter cuidado para não sermos limitadores da vontade de Deus na vida das pessoas, impondo sobre elas regras, maneiras e costumes que consideramos como as mais corretas para adorar, louvar e cultuar. Precisamos entender como é a nossa comunidade. Eles vivem na zona rural? Em comunidades (favelas, morros)? Em zona urbana (asfalto)? Professores, profissionais liberais, ou operários? Adultos, crianças, jovens ou idosos? Quais as suas características culturais? Existem alguns impedimentos ou bloqueios de ordem emocional, psicológica? O que realmente tem significado para as pessoas da sua região, bairro ou cidade? Como é o entorno da igreja, quais os valores religiosos, valores sociais, culturais, os interesses comuns, o cotidiano, os sonhos?

Verifique como anda o seu relacionamento horizontal, isto é com o seu próximo. Muitos esquecem desta dimensão que existe na adoração, fixando seu olhar apenas na direção vertical, que é de contemplação. Nossa visão de Deus precisa nos impulsionar na tomada de atitude de ir em direção do outro, do meu irmão, servindo ao Senhor. Em 1Jo 2.10 e 11 temos: “Se, porém, andarmos na luz, como Ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado.” Como você tem agido?

 Como posso dizer que amo a Deus? João diz que quem diz que está na luz, mas odeia a seu irmão, este continua ainda nas trevas, na escuridão e não vive na luz, por isto errando o caminho ou alvo para as nossas vidas, pois estamos sem luz. Isto significa que não adiantou falar tudo isto até agora, se não temos Cristo, que é a luz do mundo e não amamos também o nosso irmão.

Que a Graça maravilhosa de Jesus esteja sobre sua vida para guardá-la de todo o mal, ensinando e guiando você para um caminho mais excelente.
Paz de Deus para todos!

Westh Ney Rodrigues Luz , 2012 – Ministra de Música e profª do Seminário do Sul (STBSB/FABAT) nos cursos de Música e Teologia (Gestão de Música na Igreja e Liturgia/Culto Cristão. Formada em Música Sacra, História e Educação Artística (música) e pós-graduanda em ARTES. Regente do Coro Cantares e  Hospital Evangélico do Rio. Membro da Igreja Batista Itacuruçá, Tijuca, Rio - https://www.facebook.com/westh.ney

terça-feira, 12 de junho de 2012

Diante do cálice e do pão

Diante do cálice que minha mão sustém,
penso no sangue que Jesus verteu por mim
e uma vontade de lágrima logo me vem,
mas o Espírito ao ouvido me sussurra assim:
"A morte de Jesus é a sua vida tornada possível;
festeje-a com com a força de uma alegria indizível".

Diante do pão que meus dedos levantam,
penso num corpo dolorosamente esmagado
não pelo dEle, mas pelo meu rebelde pecado,
e lágrimas tristes em meus olhos se plantam,
mas o Espírito com Seu jeito pronto e doce
me lembra o que seria eu, se redimido não fosse.

Então, eu olho para cima para um canto
cheio de gratidão por sacrifício tão imenso,
e o cálice do fruto da vide firme levanto
para radiantemente celebrar amor tão denso
porque para mim, alegremente reconheço,
o sangue de Jesus é presente que não mereço.

Então, eu olho para o lado para um abraço
que deseja ser parte de uma fraternidade
que tem no corpo de Jesus o vigoroso laço
que integra os diferentes numa comunidade
que se reúne para tomar o cálice e o pão
entregues como voluntária doação.

Assim alcançado por este grande mistério,
tiro meus olhos felizes do passado crucial
porque no futuro também sinto refrigério
ao fruir o convite para a eterna festa final,
quando todos entoaremos a mesma melodia
que hoje cantamos com a antecipada ousadia
que brota solene do oferecimento da cruz:
"Digno de receber toda a glória é Jesus".

ISRAEL BELO DE AZEVEDO_ http://www.prazerdapalavra.com.br/reflexoes/poemas.html

terça-feira, 5 de junho de 2012

O Espírito Santo - Uma poderosa manifestação de Deus

Felipe Seabra - estudos bíblicos

Quero apresentar este jovem que gosta de estudar a Palavra de Deus e  tem sido usado 
por Ele em seus estudos na Igreja Batista Candeias. 

Ele trabalha com vídeos (finalizador) e estes tem sido vistos por muitos em propagandas comerciais na TV.  O nome dele é Felipe Seabra.

No you tube tem alguns vídeos dos estudos.

1. O que difere uma Igreja Batista de uma Igreja Pentecostal - http://www.youtube.com/watch?v=tWECp1RvDew

2. O Espírito Santo - Uma poderosa manifestação de Deus http://www.youtube.com/watch?v=CcM6IcWT1MA&feature=relmfu

3. A Sombra e a Realidade da Revelação Bíblica - http://www.youtube.com/watch?v=ThA5ZQmyQVo&feature=relmfu

No site da Igreja Candeias, Fortaleza -  Ceará podem ser econtrados muitos estudos 
também em audio.
http://www.igrejacandeias.com.br/edificacao.php?tipo=Curso&/#alvo

Felipe Seabra é meu filho e eu sempre oro por ele.

abs
westh Ney

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Duas e duras realidades no Rio de Janeiro!

Em uma excursão, um aluno de uma Escola Pública ao acabar de descer a Serra da Grota Funda e ver uma estrada bonita e grande com o Shopping do Recreio e outros prédios perguntou bem baixinho à sua professora, minha amiga:
- Professora, será que eles entendem se eu falar do jeito que falo?

Em outra excursão, da mesma Escola, o ônibus veio pela Av. Brasil e ao avistar o aeroporto o menino gritou todo feliz: - Estamos no Brasil!
Ele conhecia o aeroporto das imagens televisivas das novelas...
E eu chorei ao ouvir estas duas histórias. 
Em julho irei conhecer estas crianças. É de doer!

Ontem estive em  uma outra Escola do Rio de Janeiro, centenária, da rede particular na Zona Sul da cidade. Linda, organizada, bem estruturada, com muitas crianças e muitos cursos extras. Dá gosto andar por lá, por lindos e grandes corredors limpíssimos. Lá existe um Coro lindíssimo. 

Perguntei   à minha amiga que lá trabalha, se eles um dia poderiam cantar na Tijuca para outras pessoas, meus alunos de música  conhecerem aquele lindíssimo trabalho vocal que assisti durante parte da manhã. Ela respondeu  que seria muito difícil por problemas de segurança, permissão dos pais e que eles, na maioria,  nunca atravessaram o túnel Rebouças.

Não conhecem a outra metade da sua cidade...

E cá  estou eu ainda impactada com estas duas realidades educacionais

DECLARAÇÃO DE BERLIM SOBRE ADORAÇÃO

Nós, seguidores de Cristo chamados batistas, provenientes de 58 países, com 500 representantes de 193 convenções e uniões batistas ligadas à Aliança Batista Mundial, reunidos em nossa primeira conferência internacional devotada exclusivamente à adoração, de 15 a 18 de março de 1998, em Berlim, Alemanha, apresentamos a seguinte Declaração para reafirmar nossa compreensão da natureza essencial da adoração e do culto. 

I. Desde nossos começos os batistas sempre temos crido no Deus triúno, declarado na Escrituras como Pai, Filho e Espírito Santo e temos adorado o Deus vivo, como parte integral de nossa herança. Na primeira reunião da Aliança Batista Mundial em Londres, no ano de 1905, Alexander MacClaren convocou os delegados a com ele recitar o Credo Apostólico como testemunho de nossa fé bíblica, dentro da Igreja de Cristo. Reconhecemos Jesus Cristo como o único Cabeça da Igreja e o foco de nossa adoração e louvor. 

II. Afirmamos a necessidade de estarmos abertos à direção do Espírito Santo que nos conduz a adorarmos “em espírito e em verdade”. Todas as formas de cultos constituem “janelas” através das quais vemos a Deus. A ênfase, portanto ( no culto), não deve ser primeiramente sobre os aspectos externos, mas sobre “a prática da presença de Deus”, ao nos apresentarmos como “culto santo e agradável a Deus”. A adoração ou o culto corporativo de todas as formas, será vazio se o indivíduo não estiver espiritualmente envolvido. 

III. Celebramos (neste Congresso) cinco estilos específicos de culto e vimos exemplos de práticas litúrgicas de muitas partes do mundo. Verificamos que cada um deles tem, significado e poder. Também descobrimos que elementos de cada um deles podem ser fundidos de modo a que se produza um culto significativo, alegre e autêntico. Aprendemos a apreciar diferentes expressões e estilos de culto, sem necessariamente adotá-los. É mister que haja discernimento a determinar o que é culturalmente relevante e teologicamente consistente com a Bíblia e nossa fé batista. 

IV. Reconhecemos com alegria e gratidão a Deus o tempo que passamos juntos. Apreciamos o fato de tantas pessoas e igrejas haverem feito sacrifício significativo para participarem da conferência. A despeito de nossas diferenças e grande diversidade, experimentamos unidade sob o Senhorio de Jesus Cristo , e pudemos ter um vislumbre do céu. Esperamos que o aprendido por nós produza frutos em todo o mundo, e que esta conferência não seja um fim, mas um começo.
 

V. Com todo vigor afirmamos a importância histórica da pregação, para os batistas, como aspecto essencial do culto. 

VI. Fomos desafiados pela inadequação de alguns aspectos de nossos culto e adoração, e reconhecemos a necessidade de retomar o espírito do culto da igreja novitestamentária. Precisamos reconhecer: 

1. Que nossa pregação às vezes é desligada do resto do culto, e é dada proeminência ao que proclama a Palavra, e não a Cristo de quem a 
Palavra dá testemunho; 
 
2. Que nossa música tem sido por vezes um show, em vez de meio para 
glorificar a Deus e envolver o povo de Deus no culto; 
3. Que nem sempre compreendemos a grande importância da Ceia do Senhor 
e do Batismo, havendo-os muitas vezes como adendo do culto, em lugar
 de serem partes essenciais dele; 
4. Que às vezes temos negligenciado nossa ênfase batista sobre o 
sacerdócio universal dos crentes, em detrimento de nossa 
comunidade de fé e seu testemunho; 
5. Que nossas orações são por vezes incompletas, ao expressar somente 
nossos próprios pensamentos e necessidades, sem incluir a 
oportunidade  de ouvir a Deus; 
6. Que nossa preparação para a adoração tem sido exclusivamente do que conduzem o culto, em vez de ser responsabilidade de todos que vêm em busca de um encontro com o Deus vivo; 
7. Que nem sempre temos ensinado ao nosso povo o significado da adoração e como adorar. E por vezes separamos do resto da vida o que ocorre no santuário;
8. Que por vezes somos achados culpados de crer que nosso próprio estilo de adoração ou forma de culto são os melhores, e a única forma de adorar, e por vezes temos tentado impor essa opinião sobre outros; 

VII. No reconhecimento do que acima afirmamos, com humildade e contrição buscamos a adoração cuja iniciativa é de Deus, pois Ele nos convida à divina presença e envia-nos ao mundo, para o serviço, discipulado, justiça e reconciliação, em obediência à Grande Comissão de Jesus Cristo. 

VIII. Estamos conscientes, pelo Espírito Santo, que nossa adoração – qualquer que seja seu estilo ou forma, ocorre num contexto maior de adoração em todo o mundo, ao longo da história e no céu. Constituímos apenas uma pequena parte do eterno mosaico de adoração do Deus único e verdadeiro, por meio de Jesus Cristo, Filho de Deus e Salvador. 

IX. Cremos, com toda convicção, que a adoração é um processo vivo. O deus Criador está sempre presente na adoração e, por isso, precisamos de estar continuamente abertos às coisas novas que Deus está a fazer e fará em nós e na Igreja. Afirmamos a natureza dinâmica da adoração, como John Smyth articulou no primeiro Pacto das Igrejas, redigido há 400 anos: “(Comprometemo-nos) a andar em todos os Seus caminhos, dados a conhecer ou a serem conhecidos, conforme nossa melhor capacidade, qualquer que seja o custo, com a ajuda do Senhor”¹.
 

 - Traduzido por Irland P. Azevedo, em 22/05/2002 _ copiado do blog de Petrônio Borges - http://pastorcomciencia.blogspot.com.br/2012/04/declaracao-de-berlim-sobre-adoracao.html

DECLARAÇÃO DE NITERÓI SOBRE ADORAÇÃO


“Oh, vinde, adoremos e prostemo-nos, ajoelhemo-nos diante do Senhor que nos criou” 
                                                              (Salmo 95.6)

Nós, seguidores de Jesus Cristo, chamados batistas, procedentes de dezoito paises, reunidos em Niterói, Rio de Janeiro, de 15 a 18 de março de 2000, sob os auspícios da União Batista Latino-americana (UBLA), com o apoio da Aliança Batista Mundial, vimos apresentar a declaração a seguir, portadora de nossas convicções sobre a natureza e a importância da adoração, da realidade que percebemos e do apelo que fazemos ao povo batista da América Latina.

Nossas convicções

1.    À semelhança de nossos irmãos e irmãs reunidos no Congresso Mundial de Adoração, em Berlim, de 15 a 18 de outubro de 1998, afirmamos nossa fé no Deus triúno e nas verdades expressas no Credo dos Apóstolos. Ao mesmo tempo, consideramos importante reafirmar aspectos fundamentais dessa fé.
2.    Cremos no Deus criador do universo que se revelou em sua Palavra e em Jesus Cristo, e permanece ativo no mundo, na igreja e nos seres humanos, por seu Espírito. Ele é o único que é digno de ser adorado, por seu poder, sua santidade e grandeza de sua obra criadora, sua providência e sua obra redentora a favor do ser humano. Deus está formando um povo que, ao reconhecer agradecido sua grandeza e santidade, a ele honre com sua vida e suas palavras.

3.    Cremos em Jesus Cristo que tomou a forma humana para revelar-nos o amor e o propósito salvador de Deus, e ensinou-nos que a verdadeira adoração consiste na obediência deuma vida consagrada à missão e ao serviço, até a morte. Por sua obra na cruz podemos chegar a Deus e tê-lo como Pai e nos reconhecermos como irmãos, formando um novo povo, cuja comunhão transcende todos os tipos de barreiras e cuja adoração é aceitável a Deus, no nome de Cristo.

4.    Cremos no Espírito Santos que opera em nós para que conheçamos a Deus e o chamemos de Pai, para que em tudo cresçamos como povo seu, segundo o modelo da nova humanidade em Cristo. O Espírito renova constantemente a igreja e a impulsiona ao cumprimento de sua missão. Essa missão sempre começa no ato de adoração, a partir do qual somo enviados ao mundo.

5.    Cremos que o ser humano foi criado para amar a Deus de todo o seu ser. Corrompido pelo pecado, passou a amar e a adorar à criatura e não ao Criador. Redimido por Cristo, o ser humano anela por uma adoração plena, individual e corporativamente, empregando todas as suas faculdades. Por isso, a verdadeira adoração compreende as faculdades intelectuais, emotivas, volitivas, de discernimento moral, corporais e sociais da pessoa, conforme o testemunho das Escrituras.

6.    Para cumprir sua missão de testemunho, proclamação, serviço, comunhão e adoração, a igreja é continuamente renovada e capacitada pelo Espírito. Dessa maneira, de uma cultura para outra, e ao viver em tempos históricos diferentes, a missão da Igreja e sua adoração vão tomando formas diferentes. Ainda que o tesouro do Evangelho não mude, os vasos de barro vão mudando.

7.    Como Batistas, temos como princípios e convicções fundamentais o sacerdócio universal dos crentes, a centralidade da Palavra de Deus na vida da Igreja e o chamado para a santidade de vida e plenitude da missão. Portanto, a mudança de formas culturais e históricas da missão e da adoração da Igreja nunca deverá atentar contra essas convicções fundamentais de nossa fé.


A realidade e nossas preocupações

1.    Estamos conscientes da situação que vivem algumas de nossa igrejas e convenções para as quais a adoração tem sido tema de debate, razão de conflitos e causa de lamentáveis divisões. Os batistas latino-americanos, herdeiros de uma rica tradição litúrgica, estamos a enfrentar mudanças de uma novo tempo caracterizadas, entre outras, por diferentes formas de religiosidade e expressões novas de espiritualidade e de culto. É neste contexto cultural e religioso que nos perguntamos com sinceridade diante do Senhor o que significa adorá-lo “em espírito e em verdade”. Por outro lado, preocupam-nos a decadência moral, a perda de valores e a crise social de nosso continente. Em face da pobreza crescente de nossos povos e das terríveis situações de injustiças, violência e marginalização ficamos a perguntar-nos também que relação existe entre a adoração a Deus e a preocupação social, entre adorar ao Criador e servir a suas criaturas feitas à sua imagem e semelhança, entre adoração e compromisso integral com o seu reino de paz e de justiça.

2.    Há grande diversidade bas formas de expressão de nossa fé comum, e da adoração em nossas igrejas, como pudemos verificar em modelos de cultos oferecidos no Congresso. Essa diversidade ocorre por conta da diversidade de dons, talentos, temperamentos, personalidade e culturas, mas a diversidade de formas não deve comprometer a unidade de nossa fé.

3.    Preocupam-nos, entretanto:

a)    a transformação, com muita freqüência, do culto em “show” e exibição de beleza musical ou de talento retórico, como seu objetivo principal;

b)    por um lado, a “clericalização” do culto, com suas principais funções sendo exercidas por “ministros”, por outro, a informalidade excessiva, a improvisação, a desarmonia e a desarticulação entre as partes do culto;

c)     a hipertrofia dos chamados “momentos de louvor” nos cultos, em detrimento da ministração da Palavra que orienta, santifica, conduz à fé e à vida de compromisso com Deus;

d)    a focalização do culto na pessoa humana, no seu prazer e no divertimento, cambiando a ênfase da ética para a estética, do ser santo para o ser feliz e realizado como pessoa;

e)    a mentalidade competitiva ou de conflito, quando formas ou modelos de culto e adoração, com prejuizo para a unidade da igreja de Cristo;

f)      o tratamento das ordenanças do Batismo e da Ceia do Senhor como apêndice do culto e não como partes essenciais dele, portadores que são das grandes verdades da fé cristã

g)    a ausência da mensagem do Cristo crucificado no púlpito, no ensino cristão, no discipulado e na vida cristã;

h)    a mentalidade consumista presente em muitas igrejas, em detrimento dos valores inestimáveis de nossa fé.

Nosso apelo

Apelamos às lideranças e ao povo de Deus em nossas igrejas:
a)    que haja por parte de nossos líderes, pastores e pessoas envolvidas no ministério da música a busca constante da verdadeira adoração cristã;

b)    que haja o reconhecimento do culto a Deus como experiência vital de todo o povo de Deus que tem de enfrentar o mundo e nele cumprir sua missão reconciliadora. Nenhum outro propósito deve ter o culto;

c)     que haja equilibrio em todos os elementos constittivos do culto cristão, conferindo à Palavra de Deus o privilégio essencial;

d)    que o culto em nossas igrejas se realize centrado em Deus e sua glória, não no ser humano. Temos de buscar a excelência do culto e a integridade de nossas vidas;

e)    que se redescubram a beleza estética do culto cristão, que apele a uma consciência renovada da presença de Deus, as implicações éticas de nossa fé e a afirmação dos princípios espirituais que, como batistas, temos sustentado através da história;

f)      quanto à educação teológica e ministerial quanto à adoração, comece no seio da família, da igreja e continue nos seminários visando à adoração e crescimento de uma liderança íntegra e apta a guiar o povo de Deus;

g)    que como homens e mulheres remidos, a prestar culto a Deus, sejamos dia a dia testemunhas do Senhor, evitando cair no espírito consumista e comercial de nosso tempo.

 Niterói, 18 de março de 2000
A Comissão

quarta-feira, 23 de maio de 2012

A trama nossa de cada dia - cerzindo o jeans

Gente, 

acabei de cerzir um pequenino rasgo na minha calça jeans super nova.

Na 2ª F na sala de aula, encostei no quadro branco e fiquei agarrada em uma ponta que rasgou minha calça. Engraçada a trama do tecido jeans que parece tão firme e forte - e é.

O interessante e paradoxal é que sua trama é feita com pequenos fios que entrelaçados o fazem forte. Tive que fazer o cerzimento com toda a leveza e delicadeza, com agulha e linha bem finas e com paciência para não abrir mais o rasgo e ficar um bom trabalho.

Enquanto fazia isto pensava nas pessoas que conheço tão fortes e seguras mas que feitas do mesmo material que cada um de nós. Alguns com muitos cerzimentos feitos com cuidado e precisão. Outros não. É a vida meu irmão!

Ao cerzir pensei que seria fácil pois é um tecido grosso. Que nada. Ele é forte por causa de seus milhares de fios entrelaçados. 

Assim nós também. Com muitos cursos, muitos amigos, muita união somos fortes, mas se formos no âmago - somos frágeis e de cristal. Sozinhos nada somos e precisamos da trama nossa de cada dia para aguentarmos o rojão. 

Grande abraço
westh ney

Ser proativo ou como deixar de ouvir e ver um excelente coro...

Gente, o que é necessário, urgente, prioritário ou contingente? 
Estas perguntas são as que precisamos fazer para determinar nosso planejamento diário, semanal ou até anual. Ontem tive que decidir mais uma vez sobre isto - ir ou não ir até o Seminário Do Sul para ouvir o maravilhoso trabalho do Coro de Câmara da Pró-arte. 

Tem momentos que temos que escolher e decidir o que é prioritário e o que pode deixar de ser visto ou feito. Carlos Alberto foi meu professor e conheço bem o Coro.

É claro que eu PRECISAVA ouvir algo muito bom, mas não estou aguentando ter que ir mais um dia de Metrô cheio - ENTUPIDO - gastar mais de 2 horas da minha vida e subir a Colina pra receber alimento por mais 1h. 

Estou precisando receber e OUVIR coisa bem excelentes e em outras ocasiões eu estaria lá como se dependesse de mim o evento... Fiz a propaganda há muitos dias, divulguei , mas, estou precisando botar o pé no freio. Sei que sairia diferente e mais forte vendo e ouvindo o excelente trabalho do prof. Carlos Alberto Figueiredo e a preparadora vocal Veruschka Mainhard. Mas isto é trabalhar na 4ª geração de Administração pessoal - pensar em nossos múltiplos papéis e decidir pensando em uma bússola e não em bilhetes, listas ou agendas. 

Ser proativo é ser responsável por suas escolhas e deliberar, decidir o que  deve ou não ser feito mesmo que o mundo diga  isto ou aquilo. 
Meus alunos sabem do que estou falando.

http://www.advivo.com.br/video/coro-de-camara-pro-arte-gloria-j-mauricio-nunes-garcia

segunda-feira, 5 de março de 2012

A vida, a morte... - Rev. Mozart Noronha

Eu não sei o título que o pastor da Igreja luterana de Ipanema deu.MAs escrevo aqui tudo que pude guardar e anotar ontem dia 04/03/2012, no sermão na Igreja Anglicana de Copacabana.


Ele começou falando de Dom Robinson Cavalcanti que foi morto nesta semana em um uma grande tragédia. Falou da sua doçura dele desde criança pois o conhece desde a meninice de ambos.

Falou sobre a Teologia da Cruz que diz que o cristão não está imune ao sofrimento.

Começa então a ler com sua voz calma e pausada a canção -

O Que É, O Que É? Gonzaguinha


Eu fico com a pureza
Da resposta das crianças
É a vida, é bonita e é bonita...

Viver! E não ter a vergonha de ser feliz
Cantar e cantar e cantar
A beleza de ser Um eterno aprendiz...


Ah meu Deus!
Eu sei, eu sei que a vida devia ser
Bem melhor e será mas isso não impede
Que eu repita É bonita, é bonita
E é bonita... E a vida!
E a vida o que é? Diga lá, meu irmão
Ela é a batida de um coração
Ela é uma doce ilusão Hê! Hô!...

E a vida ela é maravilha Ou é sofrimento?
Ela é alegria Ou lamento?
O que é? O que é? Meu irmão...

Há quem fale que a vida da gente
É um nada no mundo
É uma gota, é um tempo
Que nem dá um segundo...

Há quem fale que é um divino
Mistério profundo é o sopro do criador
Numa atitude repleta de amor...
Você diz que é luta e prazer
Ele diz que a vida é viver
Ela diz que melhor é morrer
Pois amada não é e o verbo é sofrer...

Eu só sei que confio na moça
E na moça eu ponho a força da fé
Somos nós que fazemos a vida
Como der, ou puder, ou quiser...
Sempre desejada, por mais que esteja errada
Ninguém quer a morte, só saúde e sorte...
E a pergunta roda, e a cabeça agita
Eu fico com a pureza da resposta das crianças
É a vida, é bonita, e é bonita...

Assim ele começou seu sermão ontem, dia 04/03/2012, na Paróquia Anglicana da Santíssima Trindade (Copacabana). Falou sobre como o compositor popular Gonzaguinha define a existência de forma para paradoxal e ao mesmo tempo com a linguagem poética.

Fala sobre nosso amado poeta e sua morada no Hotel onde hoje é a Casa de Cultura Mário Quintana que diz assim:

“Esta vida é uma estranha hospedaria,
De onde se parte quase sempre às tontas,
Pois nunca as nossas malas estão prontas,
E a nossa conta nunca está em dia."

Cita nosso épico Luis Vaz de Camões que traduziu os anseios do homem renascentista e que no seu poema maior lembra
" ... as memórias gloriosas dos Reis que foram dilatando/
A Fé, o Império, e as terras viciosas/
De África e de Ásia andaram devastando, /
E aqueles que por obras valorosas /
Se vão da lei da Morte libertando,/
Cantando espalharei por toda parte,/
Se a tanto me ajudar o engenho e arte.

Fez outra citação (talvez Roger de Bussy-Rabutin), não sei se ouvi direito) que diz:
“Amo a morte com o mesmo amor que amo a vida (...)
a morte não é um limite, não é uma negação da vida,
mas dá grande significação à vida”.


Citando Rubem Alves fala sobre o indivíduo que morre, mas em contrapartida a pessoas não. É insubstituível. A pessoa está fora do seu tempo onde não se nasce e nem morre...

Falou sobre a doçura de Dom Robinson Cavalcanti que desde pequeno, junto com ele estudaram em um Colégio interno (acho que em Pernambuco?!) onde não se metia em brigas e discussões. Disse que a sua fé era protestante - Dom Robinson - um protestante anglicano.

Citou na sua palavra o hino que representa a fé que Dom Robinson professava:

“Em nada ponho a minha fé,/ senão na graça de Jesus,/
no sacrifico remidor,/ no sangue do bom Redentor.
A minha fé e o meu amor/ estão firmados no Senhor,/
estão firmados no Senhor".
(A Minha Fé e o Meu Amor de Edward Mote e Bradbury).

Rev. Mozart Noronha diz que a reflexão sobre a morte é uma reflexão.
Citou Romanos 8.26 - que nos mostra como não estamos sós em nossas dores - “Do mesmo modo também o Espírito nos ajuda na fraqueza; porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o Espírito mesmo intercede por nós com gemidos inexprimíveis.”

Disse das dificuldades da vida e como o grande hino brasileiro de Antonio de Campos Gonçalves/e da amada Henriqueta Rosa Fernandes Braga- Eu Creio, Senhor, na Divina Promessa - e que está no Hinário Evangélico, Novo Cântico e HCC (283 HCC)

1. Eu creio, Senhor, na divina promessa.
Vitórias já tive nas lutas aqui.
Contudo é verdade que a gente tropeça;
por isso, Senhor, eu preciso de ti.

2. A luz que me guia no escuro caminho
fulgura de cima, do sol criador.
Contudo não posso segui-la sozinho;
por isso eu preciso de ti, meu Senhor.

3. Bem sei que nas preces eu posso buscar-te;
jamais dessa bênção na vida eu descri.
Contudo é possível que dela me aparte;
por isso, Senhor, eu preciso de ti.

4. Esforços da terra, precário destino,
empenho dos homens, riqueza, o que for,
não valem a bênção do reino divino;
por isso eu preciso de ti, meu Senhor.


Citou a dificuldade que temos em palmilhar o vale da sombra da morte mas que tudo que é belo tem que morrer e citando novamente Rubem Alves, fala do tempo completo que é a eternidade. Diz ele – Eternidade é o tempo completo, esse tempo do qual a gente diz: "Valeu a pena". A saudade é o rosto da eternidade refletido no rio do tempo (...) Saudade é a presença de um ausência.

Citou o Senhor Jesus: “Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; e todo aquele que vive e crê em mim nunca morrerá. (João 11.25-26).

Citando Cora Coralina que diz:

“Não sei se a vida é curta ou longa para nós,
mas sei que nada do que
vivemos tem sentido,
se não tocarmos o coração das pessoas”.

Muitas vezes basta ser:
colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta,

silencio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre,
olhar que acaricia,
desejo que sacia, amor que promove.

E isso não é coisa de outro mundo, é o que dá sentido à vida.
É o que faz com que ela não seja nem curta, nem longa demais,
mas que seja intensa, verdadeira, pura enquanto durar.
Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. "

Voltou a falar de como as coisas belas e importantes morrem e disse sobre na morte embelezarmos a vida com uma rara palmeira que tem no Aterro do Flamengo - Corypha umbraculifera – que vive entre 40 e 80 anos e dá apenas uma florada. Ele disse que passando viu elas todas brancas, flores brancas florindo. Elas morrem estas sementes que vem com as flores semeiam novamente a terra.

Fui pesquisar e aprendi mais sobre esta espécie - “Acima da copa de folhas em leque, que começam a secar e cair, forma-se nova copa, de oito metros de diâmetro, instituída de mais de um milhão de pequenas flores brancas. Quase um quinto das flores oferecem sementes férteis e, cumprida sua parte na tarefa de perpetuação da espécie, a palmeira morre". Algumas palmeiras da espécie Corypha umbraculifera estão florindo no Aterro do Flamengo, onde foram plantadas na época da inauguração do parque, em 1965. A característica dessas palmeiras é que dão apenas uma florada durante toda a vida, que dura entre 40 e 80 anos. Depois da florada ela morre. É a maior florada do reino vegetal.” http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,palmeiras-no-aterro-do-flamengo-florescem-e-vao-morrer,471326,0.htm


Disse Mozart Noronha que a vida de cada um de nós não deve ser medida assim – curta ou longa. Ela deve ser intensa. Intensa enquanto durar.

Citou por duas vezes nosso maior músico da cristandade e de todos os tempos – J.S.Bach. E temina assim citando-o:

"Vem Jesus, vem, meu corpo está cansado
e eu agora anseio pela tua paz.
Tu és o caminho correto (...).
Eu confio em Ti,
e em Tuas mãos eu digo: Boa noite.
Apressa Senhor...
minha vida está preparada.

Finalizou assim: Jesus é e continua a ser o verdadeiro Caminho.
Deus abençoe e guarde oo rev. Mozart Noronha e o Pároco da Paróquia Anglicana da SS Trindade em Copacabana - Rev. Carlos Alberto Chaves Fernandes - o amigo e querido Beto -


.....
Este foi um feliz momento para a minha alma queridos amigos.
Como eu precisava daquela liturgia, desta mensagem...