quinta-feira, 17 de abril de 2014

Cenas do cotidiano da minha cidade - Rio

Moro em uma cidade de quase 7 milhões de pessoas. Transito entre três bairros onde juntos somam cerca de 350 mil moradores. Uso duas cooperativas de táxi onde as atendentes sabem onde moro, conhecem meu endereço e sabem os lugares que circulo.
.
Outro dia pelo som da minha voz uma delas me perguntou se eu estava bem. Respondi-lhe afirmativamente, mas ela intuiu que eu não estava bem e se preocupou. Hoje uma das moças me chamou afetuosamente de querida. Isto nunca aconteceu em mais de cinco anos. Bem, outro dia sem querer, depois de dizer o meu trajeto me despedi com beijos. Será que foi por isto? Falam corretamente meu nome de forma acolhedora, o que não é muito fácil e nem comum.
.
Hoje o taxista não deixou que começássemos a dar nosso endereço. Disse logo que nos conhecia e que já tinha nos levado para casa. Simpaticamente nos trouxe para nosso cantinho acolhedor neste bairro que não silencia.
.
Meu relógio marcava 22h50, sentia frio, pois peguei um pouco de chuva,  com fome e cansada, mas feliz por ter terminado minhas aulas escutando  a Paixão Segundo S. Matheus de Bach com meus amados alunos do Seminário Do Sul de olhos brilhantes e sorrisos largos além de ter lido um poema de Gregório de Matos.
.
Marcelo Leiroz calmo, mas cansado, pois tinha feito lindas jogadas no futebol sagrado das terças tentava me aquecer.
.
Despedimos do taxista como sempre, desejando uma boa noite e bênçãos de Deus sobre ele. Agradeceu e seguiu. O porteiro da noite nos saudou efusivamente abrindo o portão pessoalmente.
.
É... o lugar onde vivo parece muito grande, mas não é, porque nós que aqui moramos sabemos que a delicadeza e o respeito encurtam as distâncias e descansam nossos corações e mentes.

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Os braços, as mãos e os acenos saudosos


Gente, 
sempre visito minha mãe que mora bem longe de mim apesar de ser no Rio. Ela fica na janela do seu apto me vendo ir embora até eu sumir e dobrar a esquina. Toda semana estou lá. Quando vou embora, depois de pedir a bênção, caminho até o ponto do ônibus e dou meu primeiro aceno ainda no portão do prédio. Atravesso a rua e vou caminhando uns 300 metros até dobrar a esquina. Vou parando e olhando para sua janela (4º andar) e lá está ela com seus cabelos brancos e bonitos esperando para acenar. Sempre é assim a minha despedida. 
Hoje foi um destes dias.
.
Hoje não pude deixar de lembrar da dor de um pai - o pedreiro que ontem ao acenar para seu filho único de 26 anos, como sempre fazia enquanto ele atravessava a passarela, sem imaginar que seria seu último balançar de braço com toda o significado que isto tem ao vê-lo despencar e ser atirado dentro do canal que levaria a sua vida. 
Que dor, que tragédia!
.
Neste momento pensei em minha mãe que já perdeu sua filha caçula, netos e genro de uma forma trágica e pedi ao Senhor que a poupe de ver isto novamente.
Deus console e cuide deste pai e mãe que viam no Adriano de Oliveira (nome do jovem) um motivo de orgulho. Dizem todos da comunidade que ele era o orgulho dos seus pais que muito fizeram por ele e o único da família a ter um curso superior. A dor de ver um filho morrer enquanto sai para seu trabalho cotidiano, diante da rotina diária de acenar para seu querido é de doer o coração.
Hoje acenando para minha mãe doeu meu coração por aquele pai. Não posso nada diante desta tragédia, mas escrevo isto lembrando que a vida é breve e que nos pequenos - ou nem tão pequenos - atos de braços, acenos e abraços que estes sejam cheios de amor e ternura.

Abraços para todos
westh ney rodrigues luz 

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

EMANUEL_Deus conoscoI

"Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, E chamá-lo-ão pelo nome de EMANUEL, Que traduzido é: Deus conosco". Mateus 1.23

Caros amigos, este texto é muito importante, pois nos mostra algo que realmente muda nosso olhar: _ Jesus Cristo será chamado Emanuel, Emanuel que significa Deus –conosco. Isto significa, nos mostra que ele não está ausente, mas que Cristo é a imagem perfeita que temos do nosso PAI eterno e que pode nos entender pois andou por este mundo, como nós também andamos e vivemos.

Deus – conosco para entender seus conflitos, suas ansiedades

Deus – conosco, presente quando a dor invadir  a sua casa,  sua alma

Deus – conosco quando você estiver irado, com raiva ou sentindo-se desprezado, humilhado.
Deus –conosco  quando você não tiver respostas  para suas inquietações, quando perder a esperança.

Vamos pois até Belém,  pensando naquele momento ímpar onde um Deus se faz presente. 

1. Para encontrar o Amor 
O amor de Um Deus que se fez homem e habitou entre nós. Um amor sem medida.

2. Para encontrar a Paz
A Paz de Cristo. A paz mesmo em dias turbulentos ou tempestades, sabendo que ela vai passar...

3. Para encontrar  a Humildade 
Um Deus que vem  até nós, de forma humilde, nascendo em uma estrebaria .

4. Para encontrar  a Esperança
A Esperança de dias melhores,
 a esperança de uma vida futura melhor, 
a esperança de uma vida com Deus quando nossos olhos se fecharem. 

A esperança de que mesmo  andando neste mundo tão bonito, com momentos muito turbulentos ou sombrios poderemos sempre afirmar:
O Senhor é o  meu Pastor e ele não falta. Está presente.

Feliz Natal para todos.
Que Cristo possa nascer em cada coração.
Paz para todos.

Com carinho 
Westh Ney

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Som na Igreja: Quem gosta de mixar levanta a mão!

Eu também gosto, mas será que as pessoas gostam do som que nós mixamos? Será que a banda para quem mixamos também gosta do som que fazemos? Estas são perguntas válidas, porque, a despeito do que muitos pensam, os músicos são a razão da nossa existência. Se não houvesse música nos cultos, não haveria necessidade de operadores de som, concordam?

Então, preparem-se para a primeira lição de uma boa mixagem: respeitem os músicos com quem vocês estão trabalhando, ouçam suas opiniões e, se puderem, sigam-nas. Caso não seja possível segui-las, digam a eles educadamente o porquê da impossibilidade.

A segunda coisa a se compreender é que mixagem ao vivo difere da mixagem em estúdio. É preciso entender (e aceitar), que o som de uma mixagem ao vivo, por melhor que seja, nunca será igual ao som de um CD/DVD. Numa mixagem em estúdio, você trabalha com os sons já captados, aplicando os processamentos necessários individualmente, depois juntando tudo e corrigindo o que for necessário com todo o tempo do mundo à sua disposição. Já a mixagem ao vivo é viva, dinâmica, a gig está acontecendo, você não pode errar. Então, você precisa ir se adaptando a tudo em real time.

A terceira coisa necessária para que sua mixagem seja boa é entender o que os músicos estão fazendo. Para isso você precisará conhecer os instrumentos que estão sendo utilizados, a faixa de freqüência em que atuam, como soam em função do estilo de música, como se harmonizam uns com os outros. É preciso conhecer a “pegada” do músico, a forma como ele toca, como se expressa.

Se você não é músico, e quer entender o que a banda está fazendo, comece ouvindo diversos estilos de música. Dependendo do estilo, a captação e equalização dos instrumentos serão feitas de forma diferente. Ouça como cada instrumento soa, fique atento à dinâmica, observe os estilos, preste atenção nos detalhes, sinta as nuances.

Conhecer os equipamentos com os quais você vai trabalhar é o quarto princípio para a boa mixagem. Saiba exatamente o que cada componente do seu sistema pode fazer, por mais simples que ele seja. Habitue-se a ler os manuais, a participar de listas de discussão na internet, a ler material técnico, a estudar, a participar de congressos e workshops, a trocar idéias com outros técnicos e operadores. Não pense que você já sabe tudo, pois sempre haverá alguém com mais conhecimento que você.

Não sou o dono da verdade, mas o que compartilhei aqui foi o que aprendi ao longo dos anos observando pessoas muito melhores que eu fazendo o trabalho, e fazendo muito bem.

Então?! Ainda estão com a mão levantada?
................
David tem trabalhado com palestras e cursos - david.fernandes@audiocon.com.br
Blog do David - BACKSTAGE 

Acústica - E aí, David? O som vai ficar bom?

David Fernandes, no seu blog  Backstage/produção musical



Once upon a time… o
s responsáveis por uma Igreja me chamaram para ajudar com a resolução de problemas com a Acústica, pois estavam construindo o templo e precisavam de uma solução para o rebaixamento do teto. Olhei para cima e vi um telhado de alumínio reluzente.

Perguntei inocentemente:
- O que vocês pensam em fazer com relação ao rebaixamento do teto?

O responsável alegremente respondeu:
- Já contratamos a empresa que vai colocar o rebaixamento em gesso. Vai ficar muito bonito!

Sem entrar muito em detalhes, mandei outra:
- A empresa vai colocar algum tipo de revestimento sobre o gesso? Sabe… é que quando chover forte, vai fazer muito barulho aqui embaixo e vocês vão ter dificuldades em continuar o culto.

Preocupado, o responsável devolveu:
- Não pensamos nisso! Vamos providenciar já o orçamento.

Com o dia ganho por ter salvo uma igreja de problemas futuros, voltei pra casa tranqüilo e com a sensação do dever cumprido.

Dois meses depois recebo uma ligação do responsável pela igreja:
- David, venha até aqui ver como ficou o rebaixamento. Ficou muito bonito!

Chegando à igreja, vi aquele rebaixamento imponente, cheio de cúpulas, cantoneiras e de gesso bem lisinho… fiquei boquiaberto…

O responsável esperava ansiosamente meus comentários… então, perguntei:
- Vocês colocaram o material isolante que sugeri?

Um silêncio… dois silêncios…
… três silêncios depois, perguntei novamente:

- Colocaram?

A resposta veio num jorro de palavras rápido, que quase não compreendi:
- Ia endouf frehge teihgtwo 2 porihefto, ai nosie hfiamos?

Eu:
- Como? Pode repetir? Devagar?

Ele, num sussurro, disparou:
- Ia encarecer a obra em 2%, aí não fizemos.

Fiz um silêncio respeitoso. Depois de um longo minuto de silêncio gritante, não resistindo à curiosidade e querendo saber o que eu havia achado do rebaixamento, perguntou cheio de esperança:

- Bonito, né? E aí, David? O som vai ficar bom?

Respondi:
- Neoih, theigep eihgepaohgirindpwsj.

Sonoros abraços.
David Fernandes -  A vida (do Áudio nas igrejas) como ela é…

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

SEMANA DA MÚSICA no Seminário do Sul

Eventos musicais na FABAT/STBSB - de 11 a 13 de novembro.

SEMANA DA MUSICA - FABAT/STBSB 
Data: 11 a 13 de novembro de 2013 (segunda a quarta)

TRÊS EVENTOS 

Com Domitila Ballesteros,  Paulo Queiroz,  Karla Daniele Araujo,  Anderson Alves,  Moema Viterbo, Neaci Pinheiro, Rivelino de Aquino, Curso de Licenciatura em Música da FABAT

1- Dia 11/11/13 - MOSTRA DE MÚSICA - " Nossa Música na Colina" 
I Mostra de Música Popular Brasileira da FABAT" - composições musicais de alunos de teologia e Música da Faculdade/Seminário do Sul
- Organizado pela turma de gestão II, na matéria EVENTOS

**
2- Dia 12/11/13 - terça - Dois Concertos:

. Saúde Vocal - 19h : Palestra e mini-concerto com MM Karla Daniele Araujo cantando árias de Ópera e canções sacras . Ao piano: pianista MM Paulo Queiroz

. Concerto de órgão -20h30 - Concerto didático com Domitila Ballesteros - internacionalmente conhecida por suas turnês anuais na Europa

* Presença do Madrigal da FABAT, regente Ricardo Aigner

**

3- Dia 13/11/13 - CONCERTO e PALESTRA sobre Projeto Social e Musicalização

 - 19h - Palestra com a coord. do Projeto SOM MAIS EU - Moana Viterdo 

- 20h15 - Concerto didático com a Orquestra da Providência - maestro MM Anderson Alves com o Coro do Seminário do Sul e solistas Neaci Pinheiro e Rivelino de Aquino - ex-alunos da Casa.
.
Capela do Seminário do Sul
Rua José Higino, 416, Tijuca - Rio
Entrada Franca
Diretor da FABAT - Luiz Sayao

3º dia- 13/11/13 - SEMANA DA MUSICA - FABAT/STBSB

CONCERTO e PALESTRA sobre Projeto Social e Musicalização

Dia 13/11/13 - 
- 19h - Palestra com a coord. do Projeto SOM MAIS EU - Moana Viterbo

- 20h15 - Concerto didático com a Orquestra da Providência -
Maestro MM Anderson Alves
com o Coro do Seminário do Sul e
solistas Neaci Pinheiro e Rivelino de Aquino - ex-alunos da Casa.
.
Capela do Seminário do Sul
Rua José Higino, 416, Tijuca - Rio
Entrada Franca
Diretor da FABAT - Luiz Sayao